SOBRE O ENEDS

 

O ENEDS, Encontro Nacional de Engenharia e Desenvolvimento Social, é um evento que se propõe a pautar a engenharia e a formação dos estudantes através de uma ampla discussão sobre o papel da engenharia no desenvolvimento de uma sociedade mais justa e igualitária. O evento busca evidenciar a relação da engenharia, em todas as suas áreas de atuação, com o desenvolvimento social, fazendo conexões entre universidade, movimentos sociais e poder público.

O evento reúne estudantes de graduação das Engenharias e áreas afins, professores, pesquisadores, gestores públicos, empreendedores solidários, movimentos sociais, entidades da sociedade civil, políticos e membros do Estado no esforço de questionar as bases científicas do modelo de desenvolvimento atual que influem diretamente nas pesquisas e na formação em engenharia nas Universidades e centros de pesquisa do país.

 

Desde sua criação, em 2004, o evento vem trazendo várias pautas para problematização da academia e exemplos de projetos bem sucedidos na área de tecnologias sociais de baixo custo e impacto ambiental, economia solidária, organização de trabalhadores de forma associativa ou cooperada exercendo a democracia, diferentes formas de geração de trabalho e renda, economia social, políticas sociais e públicas, metodologias participativas e desenvolvimento local.

 

OBJETIVOS

 

  •  Promover o intercâmbio de conhecimentos e experiências da aplicação da engenharia para o desenvolvimento social;

  •  Estimular a reflexão crítica de estudantes de engenharia a respeito da profissão e sua relação com a sociedade;

  •  Ampliar a visão das engenheiras e dos engenheiros no exercício profissional para o desenvolvimento de uma economia social e solidária;

  •  Sensibilizar estudantes de graduação para a extensão universitária.

  •  Servir de ambiente para discussão e proposição de políticas públicas para o desenvolvimento social;

  •  Debater conceitos e práticas de tecnologias sociais;

  •  Publicação de livro sobre o encontro;

 

 

O TEMA

 

O XII ENEDS terá como temática central a não neutralidade da ciência e da tecnologia, representada na seguinte frase-tema: “Por trás de cada tecnologia, há sempre uma ideologia”. A partir da concepção de que não existe neutralidade na tecnologia, o evento discutirá os valores que são incorporados no atual modelo de desenvolvimento tecnológico e as necessárias transformações no tripé universitário (ensino, pesquisa e extensão) para a formação de engenheiros e engenheiras que desenvolvam tecnologias que incorporem outros valores, fundados na solidariedade, na ecologia e no desenvolvimento social justo e igualitário.

 

HISTÓRICO DO EVENTO

 

Edições passadas:

 

 

O ENEDS nasceu da iniciativa de estudantes e professores do Núcleo de Solidariedade Técnica – SOLTEC, sediado na Escola Politécnica da UFRJ. O SOLTEC/UFRJ é um Núcleo interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão, que atua por meio de atitude solidária, desenvolvendo competências em políticas públicas para a geração de trabalho e renda e promoção de direitos humanos.

 

Os primeiros encontros aconteceram na UFRJ – o primeiro foi em 2004 –, com temas como “Tecnologia e Desenvolvimento Social e Solidário”, “A Tecnologia na Geração de Trabalho e Renda no Brasil” e “Outra Universidade, outra economia”. Em 2008, já no V ENEDS, o encontro sai pela primeira vez da UFRJ. Dessa vez o ENEDS foi realizado na USP, com o tema “Os impactos da Engenharia e os Limites da Sustentabilidade”.

 

A partir de então o ENEDS passou a ter sua localização alternada, tendo já passado pelo Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e Pará. A partir de 2011 houve mais uma novidade que foi o início dos EREDS (Encontro Regional de Engenharia e Desenvolvimento Social), encontros regionais que precederiam os ENEDS, como uma forma de mobilização de novas pessoas para as nossas discussões e incentivá-las a ir ao ENEDS. Os primeiros EREDS realizados foram nas Regiões Sudeste e Nordeste, seguidos pela Região Norte. A Região Sul realizou o seu primeiro EREDS no ano passado e a Região Centro-Oeste estreará este ano, fazendo deste o primeiro ano com EREDS em todas as cinco regiões do país. Este fato sinaliza o crescimento da demanda por uma engenharia com outro olhar para as questões sociais.

 

Esse ano de 2015, o XII ENEDS será entre os dias 12 e 15/08, em Salvador, na Bahia. Isso é o resultado da mobilização de um grupo de estudantes , apoiado por alguns professores, que organizou, no ano passado, entre 7 e 9 de agosto, o III Encontro Regional de Engenharia e Desenvolvimento Social do Nordeste – III EREDS NE, na Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O Encontro reuniu cerca de 250 estudantes de engenharia e áreas afins, professores, pesquisadores e representantes de movimentos sociais de vários estados do Nordeste. A conferência de abertura, cujo tema foi “De que desenvolvimento social estamos falando?”, trouxe o debate acerca do exercício da engenharia e a diminuição ou agravamento das desigualdades sociais. Os demais temas foram direito à cidade, formação em engenharia, gênero e engenharia, e tecnologias livres.

 

Como resultado do sucesso do evento, a Escola Politécnica da UFBA vem experimentando um crescente movimento de estudantes interessadas e interessados na extensão universitária e na construção de tecnologias numa relação dialógica com a sociedade ao redor, sobretudo com as comunidades mais carentes e com os empreendimentos solidários. Uma iniciativa que começou a ser gestada após o III EREDS NE foi a criação de um Escritório de Engenharia Pública – um núcleo de extensão para a realização de projetos de engenharia a partir da demanda de associações comunitárias e empreendimentos solidários. Além desta, várias outras iniciativas extensionistas começam a proliferar na Escola, com alguns projetos envolvendo comunidades carentes na Ilha de Maré e na Ilha de Itaparica, ambas na Baía de Todos os Santos.

 

No ano passado, alguns dos organizadores do III EREDS NE foram para o XI ENEDS, em Belém do Pará, para participar do evento e levar a proposta de trazer o XII ENEDS para a Bahia, para a continuação desse processo. A realização do XII ENEDS na UFBA se constitui num segundo marco desse movimento. A comissão organizadora, cuja base é formada pelos mesmos estudantes que organizaram o III EREDS NE, já supera o número de 30 estudantes de graduação e a cada reunião este número aumenta. Com o XII ENEDS, espera-se difundir ainda mais a discussão acerca da engenharia e do desenvolvimento social, problematizando a não neutralidade da ciência e da tecnologia e estimulando o interesse pela extensão universitária. Espera-se ainda ampliar consideravelmente o envolvimento de estudantes da UFBA e de outras instituições de ensino superior, na Bahia e no Brasil.